O Risco Bolsonaro

Escrevo este texto com o coração apertado, pois ainda estou de ressaca das eleições de primeiro turno. O nível de ódio que tenho presenciado tanto no mundo digital como no real me assusta.

Eu não irei votar no Bolsonaro, mas diferentemente de muita gente do meu lado do espectro político, não acho que antagonizar as pessoas que votam no Bolsonaro seja uma maneira eficiente de impedir sua candidatura.

Eu entendo o motivo de uma pessoa votar no Bolsonaro.

Não acho que a maior parte do eleitorado dele vota nele por seus comentários preconceituosos, acredito até que pelo contrário, muita gente que vota nele apesar desses comentários. O problema é que estas pessoas estão tão desiludidas com o cenário político atual e o estado das instituições brasileiras, que votam nele como se ele fosse a única maneira de mudar o cenário atual. E esta indignação é completamente aceitável.

Nós trabalhamos 5 meses por ano para pagar impostos, e não recebemos o que é prometido em troca. A infraestrutura do pais está quebrada e ultrapassada e temos 13 milhões de desempregados. Esquemas de corrupção existem em todos os níveis da máquina pública. O Orçamento de educação e saúde são cortados ano após ano, pois os nossos representantes nos dizem que falta dinheiro, enquanto estes mesmos representantes aumentam os próprios salários causando um rombo de bilhões na máquina pública.

Realmente essa situação é de embrulhar o estomago e ao ler esse tipo de coisa sinto vontade de colocar fogo em todas as instituições e torcer para que algo melhor saia das cinzas. Mas essa não pode ser a solução. O Bolsonaro não é a solução.

Historicamente, as pessoas que se colocam como a única solução de uma nação acabam se tornando o principal problema posteriormente.

As pessoas da minha geração, que nasceram depois do final da ditadura, esquecem como as bases do nosso sistema democrático são frágeis. Nós gostamos de nos comparar ao governo dos EUA ou da Inglaterra, mas estas são democracias sólidas, com instituições resilientes que existem a séculos. A democracia no Brasil tem apenas 32 anos.

”Ah, ninguém merece essas comparações de Bolsonaro à Hitler”

Na verdade concordo com você, também acho que não faz sentido comparar Bolsonaro a Hitler, ou o Brasil atual a Republica de Weimar… Mas e a Duterte nas Filipinas? Ou Erdogan na Turquia? Ou Orban na Hungria?

Isto que está acontecendo no Brasil não está acontecendo em um vácuo. O autoritarismo está voltando através do voto democrático. Candidatos que tem se mostrado autoritários estão se tornando ditadores.

Como você acha que este candidato irá reagir quando tiver dificuldade de negociar com o legislativo? Ou quando o primeiro grande protesto contra ele ocorrer? Quão truculento você acha que ele será?

Lembrem-se que este é um indivíduo que a alguns anos atrás disse em rede nacional que a primeira coisa que faria se chegasse na presidência seria fechar o congresso, que 30 mil teriam que morrer para mudar algo no país, que é a favor da ditadura. Que durante sua campanha disse que a oposição tem que ser metralhada.  Um candidato que como política de segurança pretende dar aval para policial matar sem consequências legais e que diz que policial bom é policial que mata.

Seu vice já admitiu a possibilidade de um “auto-golpe” e fez comentários sobre a possibilidade de fazer uma nova constituição que são no mínimo preocupantes. Que a constituição de 1988 foi um erro, e que não deveria ser feita pelos representantes do povo, e sim por um grupo de notáveis.

Durante o impeachment de Dilma, ele idolatrou no congresso nacional um dos indivíduos mais monstruosos da nossa ditadura. Um monstro, que mandou torturar crianças e mulheres gravidas. Como técnica de tortura mandava colocar ratos dentro da vagina das mulheres durante o interrogatório. Este é o candidato que irá salvar o Brasil?

Bolsonaro não só rejeitou as regras democráticas do jogo, na verdade, fez de forma mais aberta e ofensiva que Erdogan, Fujimori, Chavez e Orban. Nenhum deles abraçou a ditadura abertamente.

“Mas o PT vai instalar um regime comunista no Brasil, vai nos transformar na Venezuela!”

E como ele faria isso? Vamos olhar para o caso da Venezuela. Como o governo venezuelano se transformou em uma ditadura? O que sustenta o atual regime de Maduro?

Resposta: As forças armadas.

Não existe ditadura sem o apoio das forças armadas. Em nenhum lugar, nunca. E nós sabemos muito bem de que lado as forças armadas estão nessas eleições. As forças armadas nunca apoiariam um regime comunista do PT.

Ao votar no Bolsonaro estamos abrindo a caixa de pandora e não teremos como fecha-la novamente. Se você acha que vai votar no Bolsonaro agora e se não gostar de seu governo poderá tira-lo em 4 anos, você não está prestando atenção no que está acontecendo.

Como Leandro Karnal diz: “a democracia pode não garantir o paraíso na terra, mas é o único sistema que impede que o inferno se instale”.

Não deixem que o ódio e o medo os levem a escolher o candidato que representa o real perigo para a democracia Brasileira.

Esse dia 28 vai definir os próximos 4 anos, e os próximos 4 anos vão definir os próximos 50.

Boa sorte para nós e boa sorte para o Brasil.

Conheça o Candidato Gui Mendes (PPS)

As eleições já estão ai e vejo que muita gente ainda está na dúvida sobre quem vai votar, principalmente quando se trata dos cargos do legislativo para deputado estadual, deputado federal e senador. Muitas vezes temos a sensação de que todos os políticos são iguais, “tudo farinha do mesmo saco”. Mas é importante lembrar que existem sim candidatos novos, competentes e que querem muito fazer a diferença.

 

E como prometido no último post, estou trazendo mais um candidato com estas características.  Desta vez eu falei com o Gui Mendes, que está se candidatando a Deputado Estadual pelo PPS (23000). Ele é um jovem paulistano, formado em ciência política pela Universidade Sorbonne em Paris e fundador do Movimento dos Indignados no Brasil.

 

De acordo com o candidato, a solução para os problemas atuais do Brasil é uma política participativa e descentralizada com maior integração com a população. Por isso, o candidato apoia uma série de medidas como uma maior integração entre as diretorias das escolas estaduais e as comunidades, focar o investimento em educação na primeira infância e projetos para desenvolver economicamente as periferias das grandes cidades. Além disso o candidato apoia medidas que melhorem a gerência dos gastos públicos, como a utilização de tecnologias de Blockchain para reduzir a burocracia e uma maior fiscalização nos financiamentos de campanha.

 

Caso você tenha interesse em saber mais sobre o candidato e suas propostas,  assista no link abaixo o terceiro episódio de BatPapo! Ou acesse o site do candidato clicando aqui!

O objetivo do BatPapo é abordar assuntos que muitas vezes não são explorados pela mídia convencional, ou não de uma maneira satisfatória, em um formato mais livre que permita que o convidado tenha espaço para desenvolver suas ideias. Caso você tenha interesse em continuar vendo conteúdo neste formato se inscreva no nosso canal!

Conheça o candidato Renato Assad (PSOL)

As eleições já estão ai e vejo que muita gente ainda está na duvida sobre quem vai votar, principalmente quando se trata dos cargos do legislativo para deputado estadual, deputado federal e senador. Por isso, nesses últimos dias antes das eleições vou trazer para vocês alguns candidatos e falar sobre suas propostas.

O meu primeiro convidado foi o Renato Assad, que está se candidatando a Deputado Federal pelo PSOL (5006). O Renato faz parte do da Corrente Internacional Socialismo ou Barbárie, que segue uma linha Trotskista do socialismo assim como os ensinamentos de teóricos como Marx, Engels, Lenin, Rosa Luxemburgo e Antônio Gramsci.

De acordo com o candidato, para resolver os problemas atuais do Brasil devemos focar na juventude e na classe trabalhadora, já que estes são os que mais sofrem com o cenário atual. Por isso, o candidato apoia uma série de medidas como a legalização e descriminalização das drogas, destinar a verba do pré-sal à educação e à saúde e uma reforma agrária, urbana e educacional sobre o controle dos trabalhadores.

Caso você tenha interesse em saber mais sobre o candidato e suas propostas,  assista no link abaixo o segundo episódio de BatPapo!

O objetivo do BatPapo é abordar assuntos que muitas vezes não são explorados pela mídia convencional, ou não de uma maneira satisfatória, em um formato mais livre que permita que o convidado tenha espaço para desenvolver suas ideias. Caso você tenha interesse em continuar vendo conteúdo neste formato se inscreva no nosso canal!

Tecnologia, política e participação da sociedade

Projeto para pessoas que precisam de ajuda possam se conectar com pessoas que podem ajudar, promovendo união e senso de igualdade entre a sociedade.

Será possível acompanhar as ações de ajuda por meio do Instagram do projeto, onde serão postadas fotos das pessoas que ajudaram e que foram ajudadas, assim como uma pequena história dessa conexão que foi criada, participe!

Políticas públicas para saúde e transporte

Uma proposta é a criação de um aplicativo no celular.

O Ministério da Saúde está com a meta de todas as Unidades Básicas de Saúde, porta de entrada do SUS e mais próximas da população estejam informatizadas até o fim de 2018 porém não existe projeto aprovado para implementar um aplicativo de celular para facilitar a vidado paciente.

A adesão ao sistema eletrônico traz benefícios na qualificação do atendimento, evitando repetição de exames e encaminhamentos desnecessários, além do maior controle do gasto público. Um estudo do Banco Mundial estima economia de R$ 22 bilhões por ano com a maior eficiência neste atendimento.

Atualmente, 64% das Unidades Básicas de Saúde (UBS) não utilizam prontuário eletrônico, equivalente a 27,3 mil serviços. Pelo projeto, todas as unidades poderão ser contempladas, inclusive com apoio de custeio para a manutenção dos serviços digitais já oferecidos.

Com o aplicativo digital, todos os locais de serviços de saúde do país poderão acompanhar histórico, dados e resultado de exames dos pacientes e verificar em tempo real a disponibilidade de medicamentos ou mesmo registrar as visitas de agentes de saúde, melhorando o atendimento ao cidadão.

A proposta para é a criação de um aplicativo no celular para marcação de consultas e exames, localização de UPA para atendimento mais próximo, atendimento domiciliar, identificação de médicos e profissionais responsáveis na hora de sua consulta ou nos plantões de emergência.

 

Outra é a criação do metro em substituição ao trem linha 9 Esmeralda

 

A linha 9 Esmeralda estende-se por 32,8 quilômetros de Osasco a Grajaú, passando por dezoito estações. Sendo implantado um metrô do Grajaú até Osasco o tempo estimado do percurso seria em média de 35 minutos, estimativa obtida a partir do tempo médio de percurso da linha amarela 4 do metrô. A linha 9 Esmeralda da CPTM realiza esse trajeto em 53 minutos nos horários normais e em 60 a 70 minutos no horário de pico.

Essa diferença de tempo para percorrer o mesmo trajeto se deve ao fato da velocidade média do trem oscilar muito de 20 a 70km/h enquanto o metro tem velocidade constante de 80 a 90km/h. Adicionado a esse fator velocidade tem o da oferta de trem que é três vezes menor do que a de metrô. Enquanto o trem passa de 7 em 7 minutos o metrô de 2 em 2 minutos.

A título de comparação em um intervalo de 1h e 10 minutos passam na estação Santo Amaro 10 trens, enquanto poderiam está passando 30 metrôs no mesmo intervalo de tempo, já que os intervalos do trem são o triplo em relação ao metrô.

Um metrô zona sul desafogaria o fluxo de passageiros de forma a evitar e até extinguir o transporte abarrotado de pessoas na linha 9 esmeralda da CPTM.

Você pode obter maiores informações sobre as fontes e informações sobre todos os projetos que estão sendo desenvolvidos acessando www.claudiaabreu.com, lá você também consegue você encontra maiores informações sobre as propostas políticas.