Síndrome do trabalho excessivo

A importância da qualidade no trabalho

Tempo de leitura estimado: 10 minutos.

Atualmente, uma das maiores doenças que estão tomando conta dos hospitais, das empresas, das escolas, e de outros locais de trabalho, é a síndrome de Burnout. Essa doença é causada pelo trabalho excessivo e é muito notável quando o trabalhador entra no piloto automático e tudo o que ele faz o deixa irritado, estressado, com pouca concentração, desanimado, com sensação de fracasso. Saiba mais neste site.

Em 1974 a síndrome de Burnout foi descrita pelo médio americano Freudenberger, sendo conhecida também como síndrome do esgotamento profissional, o transtorno está registrado no grupo V da CID – 10.

O estado de tensão emocional junto com o estresse crônico causado por condições de trabalhos físicas, emocionais e psicológicas que são desgastantes, é a principal característica desta síndrome.  Pessoas que possuem maior envolvimento interpessoal direto e intenso no trabalho as chances da síndrome de Burnout se manifestar é maior.

Os principais profissionais com maior risco de desenvolver o transtorno são: das áreas de educação, saúde, assistência social, recursos humanos, agentes penitenciários, bombeiros, policiais e mulheres que enfrentam dupla jornada.

Ainda que o estresse, às vezes, ajude a tomar decisões importantes na carreira profissional, na década de 60 os estudiosos previram essa síndrome. O ideal é que você procure um especialista capaz de diagnosticar corretamente seu estado atual.

No entanto, assim como qualquer outra doença, a síndrome de Burnout apresenta alguns sintomas que podem ser percebidos na maior parte da população, mas é importante se ater ao fato de que a síndrome está extremamente ligada ao fato do excesso, ou seja, não é apenas um dia estressante que dirá que uma pessoa possui a síndrome, mas vários aspectos juntos, como:

 

  •         Fadiga
  •         Cansaço constante
  •         Distúrbios do sono
  •         Dores musculares e de cabeça
  •         Irritabilidade
  •         Alterações de humor e de memória
  •         Dificuldade de concentração
  •         Falta de apetite
  •         Depressão e perda de iniciativa.

 

 

As pessoas que mais desenvolvem esta doença são as conhecidas como workaholics, que se envolvem muito com o trabalho, esquecem-se da vida pessoal e da saúde, vivem para as atividades relacionadas ao emprego e exigem muito de si mesmos.

Uma das causas da síndrome de Burnout é que pode levar ao alcoolismo, ao uso de drogas e nos casos mais extremos ao suicídio. No trabalho e no dia a dia, ela passa a ser irônica, isolada, cínica a produtividade da pessoa cai. Um dos pensamentos que elas têm e que acreditam que irá melhorar o estado é tirar férias, mas há muitos casos em que a pessoas descansam, ficam bem e ao voltar no trabalho os sintomas voltam.

Para a detecção correta da síndrome é necessário que o ambiente de trabalho passe por um exame detalhado e analítico para demonstrar se os sintomas apresentados possuem ligação com o ambiente. Durante o tratamento psicoterápico faz -se a diferenciação da síndrome: Depressão ou Burnout, pois muitas vezes é confundido.

Esta síndrome faz parte da vida de profissionais competentes, dedicados , profissionais que nem ligam ,não entram em Burnout. Eles não estressa, não estão preocupados. As vítimas da síndrome sao as que se preocupam , que querem fazer tudo certinho, com excelência e perfeição É como se o corpo e a mente colocassem um ponto final: “Agora chega!” Um cansaço devastador revela falta absoluta de energia. Todas as reservas estão esgotadas. No trabalho, a pessoa, antes competente e atenciosa, liga o “piloto automático”. No lugar da motivação, surgem irritação, falta de concentração, desânimo, sensação de fracasso

A maior parte do  nosso tempo de vida é passada no trabalho, então se faço algo que não gosto,num ambiente que nãoo gosto, com pessoas que não gosto, vou me tornar uma pessoa infeliz e levo isso para todos os ambientes que eu estiver.

Para se recuperar do Burnout é necessário buscar mais recursos mentais para enfrentar estes sintoma, como: melhorar a alimentação, praticar exercícios físicos, dormir as horas necessárias de sono e passar mais tempo com a família, amigos e com atividades de lazer, não esquecendo os hobbies que possui. Leve o relaxamento a sério, participe de atividades prazerosas para que não pense no trabalho, separe um tempo específico fora do trabalho para checar as mensagens( caso seja necessário trabalhar em casa), reduza as demandas feitas para você e reabasteça as reservas de recursos e energia, coloque as tarefas mais empolgantes por ultimo para ficar mais esperançoso e não adie tarefas chatas pois vai ficar pensando nelas. É importante também ver mudanças no seu ambiente de trabalho.

A síndrome de Burnout ou do esgotamento profissional é hoje uma doença que afeta várias camadas da população, não importando a classe econômica, raça ou gênero. É um cuidado que deve ser tomado e evitado para que no futuro o número de pessoas com a síndrome abaixe e não o contrário. Confira mais aqui!

Você tinha conhecimento sobre esta síndrome? Gostaria que eu abordasse mais algum aspecto? Deixe seus comentários .

Ana Paula

Ana Paula

Utilizo da minha formação de mais de 20 anos e de minha prática clínica para ajudar pessoas que estão em sofrimento ou que precisam de alguma ajuda emocional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *