O Risco Bolsonaro

Escrevo este texto com o coração apertado, pois ainda estou de ressaca das eleições de primeiro turno. O nível de ódio que tenho presenciado tanto no mundo digital como no real me assusta.

Eu não irei votar no Bolsonaro, mas diferentemente de muita gente do meu lado do espectro político, não acho que antagonizar as pessoas que votam no Bolsonaro seja uma maneira eficiente de impedir sua candidatura.

Eu entendo o motivo de uma pessoa votar no Bolsonaro.

Não acho que a maior parte do eleitorado dele vota nele por seus comentários preconceituosos, acredito até que pelo contrário, muita gente que vota nele apesar desses comentários. O problema é que estas pessoas estão tão desiludidas com o cenário político atual e o estado das instituições brasileiras, que votam nele como se ele fosse a única maneira de mudar o cenário atual. E esta indignação é completamente aceitável.

Nós trabalhamos 5 meses por ano para pagar impostos, e não recebemos o que é prometido em troca. A infraestrutura do pais está quebrada e ultrapassada e temos 13 milhões de desempregados. Esquemas de corrupção existem em todos os níveis da máquina pública. O Orçamento de educação e saúde são cortados ano após ano, pois os nossos representantes nos dizem que falta dinheiro, enquanto estes mesmos representantes aumentam os próprios salários causando um rombo de bilhões na máquina pública.

Realmente essa situação é de embrulhar o estomago e ao ler esse tipo de coisa sinto vontade de colocar fogo em todas as instituições e torcer para que algo melhor saia das cinzas. Mas essa não pode ser a solução. O Bolsonaro não é a solução.

Historicamente, as pessoas que se colocam como a única solução de uma nação acabam se tornando o principal problema posteriormente.

As pessoas da minha geração, que nasceram depois do final da ditadura, esquecem como as bases do nosso sistema democrático são frágeis. Nós gostamos de nos comparar ao governo dos EUA ou da Inglaterra, mas estas são democracias sólidas, com instituições resilientes que existem a séculos. A democracia no Brasil tem apenas 32 anos.

”Ah, ninguém merece essas comparações de Bolsonaro à Hitler”

Na verdade concordo com você, também acho que não faz sentido comparar Bolsonaro a Hitler, ou o Brasil atual a Republica de Weimar… Mas e a Duterte nas Filipinas? Ou Erdogan na Turquia? Ou Orban na Hungria?

Isto que está acontecendo no Brasil não está acontecendo em um vácuo. O autoritarismo está voltando através do voto democrático. Candidatos que tem se mostrado autoritários estão se tornando ditadores.

Como você acha que este candidato irá reagir quando tiver dificuldade de negociar com o legislativo? Ou quando o primeiro grande protesto contra ele ocorrer? Quão truculento você acha que ele será?

Lembrem-se que este é um indivíduo que a alguns anos atrás disse em rede nacional que a primeira coisa que faria se chegasse na presidência seria fechar o congresso, que 30 mil teriam que morrer para mudar algo no país, que é a favor da ditadura. Que durante sua campanha disse que a oposição tem que ser metralhada.  Um candidato que como política de segurança pretende dar aval para policial matar sem consequências legais e que diz que policial bom é policial que mata.

Seu vice já admitiu a possibilidade de um “auto-golpe” e fez comentários sobre a possibilidade de fazer uma nova constituição que são no mínimo preocupantes. Que a constituição de 1988 foi um erro, e que não deveria ser feita pelos representantes do povo, e sim por um grupo de notáveis.

Durante o impeachment de Dilma, ele idolatrou no congresso nacional um dos indivíduos mais monstruosos da nossa ditadura. Um monstro, que mandou torturar crianças e mulheres gravidas. Como técnica de tortura mandava colocar ratos dentro da vagina das mulheres durante o interrogatório. Este é o candidato que irá salvar o Brasil?

Bolsonaro não só rejeitou as regras democráticas do jogo, na verdade, fez de forma mais aberta e ofensiva que Erdogan, Fujimori, Chavez e Orban. Nenhum deles abraçou a ditadura abertamente.

“Mas o PT vai instalar um regime comunista no Brasil, vai nos transformar na Venezuela!”

E como ele faria isso? Vamos olhar para o caso da Venezuela. Como o governo venezuelano se transformou em uma ditadura? O que sustenta o atual regime de Maduro?

Resposta: As forças armadas.

Não existe ditadura sem o apoio das forças armadas. Em nenhum lugar, nunca. E nós sabemos muito bem de que lado as forças armadas estão nessas eleições. As forças armadas nunca apoiariam um regime comunista do PT.

Ao votar no Bolsonaro estamos abrindo a caixa de pandora e não teremos como fecha-la novamente. Se você acha que vai votar no Bolsonaro agora e se não gostar de seu governo poderá tira-lo em 4 anos, você não está prestando atenção no que está acontecendo.

Como Leandro Karnal diz: “a democracia pode não garantir o paraíso na terra, mas é o único sistema que impede que o inferno se instale”.

Não deixem que o ódio e o medo os levem a escolher o candidato que representa o real perigo para a democracia Brasileira.

Esse dia 28 vai definir os próximos 4 anos, e os próximos 4 anos vão definir os próximos 50.

Boa sorte para nós e boa sorte para o Brasil.

Bat Papo

Bat Papo

Política, entretenimento e tecnologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *